Arquivo da categoria: viagem

on the move

Anúncios

A seda de Khmer

Bordeaux

Cheguei hoje em Bordeaux para a inauguração do EVENTO BORDEAUX 2009, mais precisamente para acompanhar a LUANDA, SMOOTH AND RAVE, um projeto angolando dentro do evento bordalês. Acompanhem neste blog que estou montando junto com a Claudia Veiga, o desenrolar da exposição + eventos culturais (teatro, dança, conferência, gastronomia, música).

Que cidade linda. Ela foi totalmente restaurada recentemente e passou por uma reurbanização muito bem feita. Estou passada porque a bateria da minha camera chegou sem carga, não consegui fazer nenhuma foto hoje… Amanhã preciso sem falta comprar o adaptador do meu carregador… Depois que conseguir fazer isso, vou encher aqui de fotos.

A exposição está incrível. É arte contemporânea angolana dentro do Grand Théâtre, que tem uma arquitetura neo-clássica do século 18, toda restaurada, cheia de dourados e retratos e esculturas. O contraste entre dois universos. Principalmente quando se sabe que a cidade de Bordeaux se enriqueceu do açúcar da época da escravatura, as obras que estão na exposição se tornam ainda mais releveantes, notadamente as mais polêmicas como as do Nástio Mosquito.

Agora já é quase uma da manhã, cheguei hoje depois de 12 horas de vôo sem conseguir dormir, então, vou me aprofundar mais sobre esses assuntos (que super merecem) numa outra altura. Amanhã tem mais! Amanhã é a inauguração do próprio EVENTO 2009 e sábado é o nosso dia.

EVENTO 2009 bienal de arte e urbanismo de Bordeaux

A Fundação Sindika Dokolo participa do EVENTO 2009 (09/10 – 18/10), uma bienal sobre arte e cidades (“Le Rendez-vous Artistique et Urbain de Bordeaux”), que tem a proposta de discutir nesta primeira edição a “intimidade coletiva”.

Picture 33

Com o projeto LUANDA | SMOOTH AND RAVE, a Fundação Sindika Dokolo propõe mostrar a cidade de Luanda através do olhar dos artistas (fotografia, video, arquitetura, dança, teatro e música).

Pretendemos abordar a cidade de Luanda, numa perspectiva esférica e mutante, sem ter necessariamente um ponto de observação fixo.

Este projecto orgânico e emocional propõe uma plataforma que assenta na ausência de um epicentro de análise, permitindo observar as mutações da história recente de uma cidade generosa e inclusiva.

As problemáticas da percepção histórica, política e cultural abordadas pelos artistas, traduzem uma estética onde as imagens se tornam vectores culturais transformando-as em cartografias emocionais e poéticas da cidade.

Os artistas propõem em diversas disciplinas e mediuns uma leitura autónoma, livre e sensível da trajectória temporal e híbrida da cidade nação.

A reorganização do caos e a compreensão da metamorfose.
A trajectória de uma suave utopia contextualizada numa realidade frenética.

Os artistas que participam são Bamba, Ihosvanny, Paulo Kapela, Kiluanji, Chilala Moco, Nástio Mosquito, N’Dilo Mutima, Jorge Palma, Pocas Pascoal, Nguxi dos Santos, Orlando Sergio + Paulo Azevedo, Marita Silva, Cláudia Veiga, Yonamine e terá também uma programação de artes cênicas.

Picture 37

Entrevista com o Fernando Alvim, curador de LUANDA | SMOOTH AND RAVE, aqui.

sweet…

luanda

Trienal de Luanda & Trienal de Arquitectura de Lisboa

obra do Fernando Alvim que fica na entrada do escritório da FSD. gosto muito dela.

Fernando Alvim

Bom, já faz uma semana que voltei de Luanda. Está na hora de escrever um pouco sobre o que vivi lá né. Slow-blogging também tem limite, rs. É assim, pra quem não sabe, faz um ano que eu trabalho com arte contemporânea africana, mais precisamente com a Fundação Sindika Dokolo, situada em Luanda, Angola. Eu coordeno alguns projetos e o escritório da Fundação aqui em São Paulo. A FSD é baseada numa coleção africana de arte contemporânea e é idealizadora e produtora da Trienal de Luanda entre outros eventos de cultura contemporânea na África e no mundo.

Passei um mês em Luanda na sede da Fundação para trabalhar nos projetos da II Trienal de Luanda 2010. Cheguei lá no dia 26 de maio de manhã bem cedo, às 4 horas da manhã.

entrada do escritório que fica no prédio do Hotel Globo

entrada do escritório que fica no prédio do Hotel Globo

Já naquela tarde, depois de dar uma descansada, fui ao  escritório novo da FSD.  Estava programado para acontecer a conferência de imprensa anunciando a II Trienal de Luanda 2010 (daqui pra frente, chamada de II TL). Que ótimo, junto com os jornalistas, eu também vou poder me inteirar melhor, já no primeiro dia.

escritório da Fundação Sindika Dokolo em Luanda, pouco antes da conferência de imprensa

escritório da Fundação Sindika Dokolo em Luanda, pouco antes da conferência de imprensa

Conferência de imprensa anunciando a II Trienal de Luanda 2010

Conferência de imprensa anunciando a II Trienal de Luanda 2010

Marita Silva, diretora da FSD, e Carlos Antunes, arquiteto angolano falando sobre sua participação na II TL

Marita Silva, diretora da FSD, e Carlos Antunes, arquiteto angolano falando sobre sua participação na II TL

depois da conferência, algumas jornalistas ficaram para conversar melhor sobre a II TL.

depois da conferência, algumas jornalistas ficaram para conversar melhor sobre a II TL.

Depois desse evento, o próximo significativo foi, depois de uns dias, a visita do pessoal da Trienal de Arquitetura de Lisboa. José Mateus e Delfim Sardo chegaram antes e um dia depois, o João Luis Carrilho da Graça. José Mateus é arquiteto e diretor da Trienal de Arquitetura de Lisboa. Foi ele o idealizador e conceptor do evento.

José Mateus

José Mateus

Ele dirige o seu ateliê de arquitetura ARX junto com o irmão, Nuno Mateus. Além da sua prática como arquiteto no ateliê com vários prêmios conquistados, leciona, profere palestras em diversos países, é coordenador e autor de uma revista de arquitetura e integra diversos júris de prêmios de arquitetura no mundo, inclusive na Bienal de Arquitetura de São Paulo de 2003.

Dono de uma fala calma e clara, é um apaixonado pelos filhos, pela filha caçula (a Trienal), pelo trabalho e pela gastronomia, em especial a japonesa. A cada refeição em que dividíamos a mesa, ele me falava de uma receita que gostava de fazer.

site do ateliê do José Mateus, ARX

site do ateliê do José Mateus, ARX _ http://www.arx.pt/index.php com incríveis projetos residenciais

Casa do Romeirão premiada com primeiro lugar do Prêmio Muncipal de Arquitetura de Mafra, na categoria de “Edifícios Novos”.

projeto premiado da ARX _ Casa do Romeirão, primeiro lugar do Prêmio Muncipal de Arquitetura de Mafra, na categoria de “Edifícios Novos”. (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

Delfim Sardo é o curador da próxima Trienal de Arquitetura de Lisboa, também em 2010 como a Trienal de Luanda. Inclusive, as duas trienais nasceram no mesmo ano, 2007 e as duas são TL, só confirmando as conexões intrínsecas entre elas. Sardo estudou filosofia na Universidade de Coimbra e se dedica à curadoria e aos ensaios sobre arte contemporânea.

Também muito calmo mas estampando um gentil sorriso no rosto, mostrava o entusiasmo que sentia em estar em Luanda e em contato com a nossa trienal. O ensaísta e curador, que também é docente universitário, diz que tem um especial interesse pela relação entre a arquitetura e a arte, a arte e o espaço.

“Pessoalmente tenho muito interesse na arquitectura, na espacialidade, nos campos activos no desenvolvimento das artes. Nos últimos anos, o espaço e o corpo são a grande matéria da arte” (http://forum.jokerartgallery.com/index.php?topic=335.msg647#msg647)

Delfim Sardo

Delfim Sardo

Nosso primeiro contato foi na casa do Fernando Alvim, numa noite regada a vinhos e conversas informais porém, bem construtivas, no sentido de troca de experiências entre as duas trienais e até mesmo sobre os projetos de colaboração para 2010. No dia seguinte no escritório, houve a apresentação formal e mais detalhada das duas trienais, com a participação de todos da FSD.

assistindo à apresentação da Trienal de Arquitectura de Lisboa

assistindo à apresentação da Trienal de Arquitectura de Lisboa

assistindo à apresentação da Trienal de Arquitectura de Lisboa

FSD

Nesse fim do dia, chegou em Luanda o João Luís Carrilho da Graça, arquiteto português de grande destaque e curador do projeto específico sobre Luanda para a 2ª Trienal de Arquitetura de Lisboa. Além de arquiteto, Carrilho da Graça dirige os departamentos de arquitetura de duas universidades em Portugal.

Encontrei uma ótima entrevista com ele de 2004 em que o entrevistador é o José Mateus e é sobre a casa que Carilho da Graça projetou de Julião Sarmento, artista português cujos trabalhos foram objeto de ensaios de autoria do Delfim Sardo.

Vale a pena visitar o site e conhecer os trabalhos daquele que é tido como o arquiteto referência de Lisboa pelo próprio José Mateus. Admirei em especial a Escola Alemã de Lisboa e a Escola Superior de Música de Lisboa. Muito interessante também o Centro de Controle Operacional de Brisa, com a sua fachada toda coberta de painéis solares.

Escola Alemã de Lisboa

Escola Alemã de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

Escola Alemã de Lisboa

Escola Alemã de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

interior da Escola Alemã de Lisboa

interior da Escola Alemã de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

Escola Superior de Música de Lisboa

Escola Superior de Música de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

Escola Superior de Música de Lisboa

Escola Superior de Música de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

interior da Escola Superior de Música de Lisboa

interior da Escola Superior de Música de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

interior da Escola Superior de Música de Lisboa

interior da Escola Superior de Música de Lisboa (fotografia: FG + SG - Fotografia de Arquitectura)

Um doce de pessoa, João Luís Carrilho da Graça concedeu uma entevista para a revista “A Vida” do jornal angolano “O País” que resultuou numa ótima matéria sobre o projeto de colaboração entre as duas trienais, sua trajetória e sua visão sobre arquitetura.

Essas três grandes personalidades demonstraram enorme interesse pela Trienal de Luanda e pela cidade. Passamos um dia inteiro percorrendo a cidade de carro, visitando as arquiteturas e conhecendo melhor a cidade. Para mim, que só conhecia a baixa de Luanda, foi incrível também poder fazer esse tour logo no começo da minha estadia.

primeira parada do tour. esse lugar é inacreditável! um antigo cinema a céu aberto, agora desativado. tem uma atmosfera impressionante. Fernando Alvim diz que assistia grandes filmes aqui, com um fundo de céu estrelado... fiquei só imaginando qual incrível devia ser.

primeira parada do tour. esse lugar é inacreditável! um antigo cinema a céu aberto, agora desativado. tem uma atmosfera impressionante. Fernando Alvim diz que assistia a grandes filmes aqui, com um fundo de céu estrelado... fiquei só imaginando quão incrível devia ser.

a cidade de Luanda

a cidade de Luanda

tour pela cidade de Luanda

tour pela cidade de Luanda

o famoso prédio livro, um prédio residencial com esse nome por causa do formato

o famoso prédio livro, um prédio residencial com esse nome por causa do formato

pausa para o almoço na Ilha de Luanda

pausa para o almoço na Ilha de Luanda

o trio da Trienal de Arquitectura de Lisboa

o trio da Trienal de Arquitectura de Lisboa

na Ilha de Luanda

Delfim Sardo e a Ilha de Luanda

no final do dia, o trio da Trienal de Arquitectura de Lisboa participou do programa de rádio Zwela produzido pela FSD e que acontece semanalmente aos domingos. foi uma ótima entrevista!

no final do dia, o trio da Trienal de Arquitectura de Lisboa participou do programa de rádio Zwela produzido pela FSD, apresentado pelo Jomo Fortunato e que acontece semanalmente aos domingos. foi uma ótima entrevista!

mais conversas regadas a vinho e com apresentação da música do NEXT com direito a incrível voz da Angela Mingas

noite de despedida na casa do Fernando Alvim, mais conversas regadas a vinho e com apresentação da música do NEXT com direito a incrível voz de Angela Mingas

... José Mateus, Carlos Antunes e Marita Silva...

José Mateus, Carlos Antunes e Marita Silva

... terminando a noite na beira do mar.

... terminando a noite na beira do mar.

O entusiasmo de todos, das duas trienais, rendeu muitos frutos, de enorme valor. Valor humano, cultural, social e acima de tudo, afetivo. Esqueci de dizer que o conceito, ou melhor, a base da próxima Trienal de Luanda é “Geografias Emocionais – Arte e Afectos”. O que começou como um primeio encontro entre as duas trienais, acabou se tornando um grande laço de amizade e colaboração. Para mim, foi um enorme privilégio ter participado dessa conexão, que viria a ser a primeira de outras a seguir.

Acho que o que realmente me fascina nas viagens é, acima de tudo, penetrar nos diferentes mundos das tão diversas pessoas. É por isso que eu amo tanto viajar. Claro, as cidades, os lugares, os cheiros e as comidas também me hipnotizam, mas o que me comove tanto mais são as tão diferentes e fascinantes pessoas e seus universos.

Ainda vou falar mais sobre a Trienal de Luanda, mas por hoje, quis destacar essa  primeira troca entre as duas cidades baseada no afeto que presenciei.

Luanda > São Paulo

Estou indo dormir e amanhã de manhã cedo já vou embora pra São Paulo. Foram 3 semanas intensas aqui em Luanda, não consegui fazer um post sequer dos acontecimentos. São tantas coisas pra contar… vou tentar fazer isso quando chegar em São Paulo. Vou embora com um pouquinho de melancolia, porque tava me sentindo bem em casa aqui em Luanda…

essa vista da janela de casa...

essa vista da janela de casa...